quinta-feira, 17 de março de 2011

Há dias assim!

Pontão da Costa Caparica, 2011 (MC)



"Eu sou do tamanho do que vejo e não
do tamanho da minha altura"
Alberto Caeiro



Caminhava hoje, como tantas vezes o faço, no pontão da Costa de Caparica.
Faz-me bem.
O mar é sempre diferente, e, por isso, estimulante.
Como a vida não é de sentido único, há sempre o prazer e o sofrimento.
Foi isso que me aconteceu,  ao aperceber-me que caminhava, quase ao meu lado, um jovem em cadeira de rodas.
Tão jovem que era!
Durante um bom período, caminhámos mais ou menos a par.
Até que, numa ligeira subida, ele ficou para trás.
Eu também quis ficar...
A realidade daquele jovem atingiu-me profundamente.
E transformou o meu dia.
Quiçá, os meus dias.
Dei por mim a pensar que, onde quer que esteja, o que quer que veja ou faça, aprendo sempre.
Isso é transformação!
Há sempre situações piores do que a nossa.
Basta olhar.
Ver.
Sentir!
E neste turbilhão de sentimentos, veio à minha mente as palavras de José Saramago: "(...) e à utopia chame-se-lhe raiva, no desejo e na alegria de transformar as coisas que estão mal".


MC

2 comentários:

calhabécirculação disse...

De que tamanho é a Mulher que assim vê o mundo?

IMaria disse...

pequena, mas tão grande que não cabe nas nossas mãos.

um beijinho Céu.