sábado, 19 de março de 2011

Ao meu Pai





Pai, a Minha Sombra és Tu
a cadeira está vazia, um corpo ausente
não aquece a madeira que lhe dá forma

e não ouço o recado que me quiseste dar
nem a tua voz forte que grita meninos
na hora de acordar
ouço o teu abraço, no corredor em gaia
e os olhos molhados pela inusitada despedida

o sol foge
mas o crepúsculo desenha a sombra que
tenho colada aos pés
ou o espelho, coberto com a tua face

pai, digo-te
a minha sombra és tu

 


Jorge Reis-Sá,  "A Palavra no Cimo das Águas"







2 comentários:

IMaria disse...

Partiu mas está sempre connosco. Ainda hoje falámos nele. Não o recordo como nesta foto, mas um homem de cabelo branco, enérgico, alegre e bem disposto.
jinhos

Mário Oliveira disse...

Lindo, bem escolhido. Beijinho