quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Distanciamento

No último fim-de-semana, tive necessidade de relembrar Brecht.

Brecht desenvolve o conceito de Teatro Épico, opondo-o ao conceito aristotélico de Teatro Clássico.

Para tal, serve-se da ideia de distanciamento, com a qual procura incutir no espectador o seu envolvimento racional e o espírito crítico, por contraposição ao envolvimento emocional e a ilusão que o Teatro Clássico proporciona.

Esta síntese vem a propósito da dificuldade que tive em encontrar o ponto de equilíbrio entre a emoção e a razão, na escolha dos temas a colocar neste espaço.

Daí a necessidade de parar algum tempo.

Daí a necessidade de "distanciamento" para ganhar espírito crítico.

A vida é plena de sentimentos, emoções, contradições, encantamentos, caos, ordem...

E, por vezes, "agarramos" as coisas com sofreguidão, a qual nos tolda a razão e nos impede de ter uma visão mais serena e mais lúcida da realidade.

Não sou fã do "tudo controlado", mas também não sou adepta da "roda livre".

Eis-me aqui, hoje, e para o futuro, procurando o ponto certo.

O ponto de equilíbrio.


MC

4 comentários:

calhabécirculação disse...

Uma imagem erudita para explicar esta ausência de 17 dias à procura do ponto de equilibrio!
Está tudo bem, Ceuzita?
Um beijinho.
Pedro

A.R. disse...

Parar,neste caso,é caminhar.A vida só faz sentido se ,a cada momento,a questionarmos e nos empenharmos na procura do que podemos fazer para lhe dar realmente valor.Neste permanente empenho os amigos são importantes.
AR

IMaria disse...

Céu. Tu paraste e foste relembrar Berthol Brecht. Nós ontem, fomos ver Berthol, no Teatro Aberto. Que coincidência esta sintonia do acaso.
Um beijinho.

Virgínia Machado disse...

Já sentia a tua falta!
Não nos deixes tanto tempo...
Um abraço.